quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Separador de grama caseiro

Recicle, reuse, repense.

Eu reciclava e ainda reciclo (em São Paulo é mais fácil que aqui).
Reuso o que posso - as garrafas PET com paredes lisas aqui em casa viram separador de grama.
E repenso também - deixei de comprar água com gás em garrafas descartáveis - gerava MUITO lixo. Agora tenho um 'sifón automático' - uma garrafa que suporta pressão. A gente enche com água (uso torneiral mesmo), atarraxa uma garrafinha e gás que parece um extintor de incêndio, ele gasifica a água e voilá: água com gás.


Vejam abaixo como faço o separador de grama caseiro de garrafas PET.



A matéria-prima: tire o rótulo (e recicle - ainda não achei utilidade para ele...), corte a parte de cima e o chão também (o chão serve como vasinho para reproduzir suculentas - basta furar com um prego aquecido na chama de uma vela)


Achate o cilindro e marque a dobra passando o cabo de uma tesoura, o de uma chave de fenda... Logo, encaixe um cilindro no outro e seu separador de grama estará pronto. Se considerar demasiado largo, grampeie as juntas e corte pela metade - use a parte dobrada para cima, assim não entra terra e fica melhor acabado. Costumo enterrar até ficar, de preferência, imperceptível.


Dessa vez usei o separador para começar algo que venho querendo resolver há algum tempo. Temos um telhado sem calha na churrasqueira e a água da chuva deixa a faixa mais próxima ao piso sempre muito úmida. Resultado: a grama não cresce (principalmente se juntarmos à isso o fator sombra...). Solução: colocar uma faixa de pedras, do mesmo tipo que usei em outro pedaço, debaixo da torneira.
Para fazer bem feito, cortei a terra com uma pá reta (com cuidado porque sabia da existência de encanamentos no local), retirei, coloquei o separador de grama para evitar que a terra invada as pedras, acrescentei isopor picado, areia grossa e manta bidim para ajudar na drenagem e logo cobri com as pedras. A grama da 'fronteira' está feia, nivelei com areia grossa e agora veremos se ela, com o aumento da temperatura, crescerá melhor. De qualquer maneira, pretendo fazer um canteiro num dos lados, então a grama desaparecerá mais cedo ou mais tarde.


Antes - modificar a altura da grama seria complicado e cheio de barro, então mantive a curvatura. Na parede há ganchos para prender paredes de plástico em dias de chuvas - devem continuar disponíveis.




Durante - corte, retirada da terra num balde para ter menos trabalho depois, colocação do divisor, do isopor picado à mão (na parede vêem-se as marcas indicando os encanamentos) e da manta geotêxtil de drenagem


E depois - as marcas da parede foram feitas com gesso e desaparecerão com as chuvas (podem ser lavadas também). Com o tempo a grama crescerá na parte que foi nivelada com areia (se o canteiro planejado para o local não surgir antes disso, claro)

Ainda tenho pedras suficientes para fazer o acabamento do outro lado do caminho de tijolos, que é mais comprido. Para os fundos precisarei fazer nova compra. Ainda bem que a manta que tenho é suficiente, porque ainda não consegui comprar por aqui.

Assim vou montando os canteiros aos poucos - uma vez decidido o formato e conhecidas as condições do local, fica mais fácil decidir sobre plantas e acabamentos. A Phaius do post anterior é o começo de um desses canteiros.


Clique nas imagens para ampliar

11 comentários:

  1. Elena, muito legal a sua idéia! É uma dica ótima! ADOREI! E quando precisar, vou usar.
    bj

    ResponderExcluir
  2. Oi Elena!
    Adorei a ideia! Conheci seu blog através da Tati que escreveu aí em cima...
    Bj

    ResponderExcluir
  3. Tati, Larissa

    Espero que usem e que gostem. Claro que é mais fácil comprar uns metros de produto pronto, mas o prazer de reutilizar um material que iria para o lixo é muito gratificante.

    Beijos,

    Elena sem H

    ResponderExcluir
  4. Muito bom! Parabéns, além do reuso isso resolve o problema da grama e fica bonito.
    Boa!

    Taubrós!?

    ResponderExcluir
  5. Elena, que boa idéia essa do separador de grama! Estava precisando, já havia até pesquisado o preço - por volta de 5,00 reais o m. Claro, prefiro um milhão de vezes o reciclado. Vou mostrar para minha filha. É para nossa calçada. Que plantas você acha que fica bem para uma calçada com sol pleno, fios elétricos por cima e medindo 2,80 por 20? O espaço do portão é de 4 m. Estamos procurando plantas bem resistentes, que não deem muito trabalho.
    Um carinhoso abraço e bom feriadão!

    ResponderExcluir
  6. Luisa, me manda algumas fotos por e-mail? Qual a orientação (norte, sul...)?
    2,80 é a largura total da calçada? Temos que pensar na circulação - há normas municipais para uso de calçadas. Já existe algum canteiro - é junto ao muro (ou são grades...).
    Mande as fotos e te conto melhor.

    elena.sem.h@gmail.com

    Beijos,

    Elena sem H

    ResponderExcluir
  7. oi, eu queria sabe o porquê de cada coisa que você utilizou. O separador de grama você já disse que é para a grama não invadir, mas porque isopor? porque areia? porque as pedas? rs, espero não ser incoveniente com essas perguntas, mas achei bem legal sua ideia e se algum cliente me quiser eu tenho que saber explicar o porquê das coisas, então preciso saber.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi anonim@

      Esse pedaço do conteiro é onde cai toda a água do telhado (que não tem calha). Estava sempre úmido e a grama não crecia. E ainda respingava terra. As pedras brancas de cima são para receber a água, a areia e o isopor debaixo delas servem para melhorar a drenagem e escoar a água que nesse pedaço é muita.

      Espero ter respondido suas curiosidades. Abraço!

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Excelente iniciativa. Vou tentar fazer

    ResponderExcluir
  10. Estava tentando encontrar um jeito de separar as pedras. Achei. Obrigada!

    ResponderExcluir

Eba! Mais matizes nas minhas cores!!

***
Hey there! Thanks for leaving new shades into my colours.

[If you wish an answer, leave your e-mail.]